sexta-feira, 5 de junho de 2020

Um abraço intencional




Eu tenho andado, isolado e adunado, a ajudar a resolver o mundo
e descobri, em mim, seres estranhos e, eventualmente, inúteis,
que tem passado os seus dias de entendimento a ignorar-me.
Estes dias são, desde sempre, iguais, figuras diluídas e hesitantes;
uma representação vacilante de encontro e desencontro em nós.

Talvez devesse dizer, para início de verso, ou pretenso poema,
que está um certo frio, frio, onde me calo e chove dentro;
que as palavras têm criado mais sentimentos do que textos e harmonias;
que o ulmeiro deixou cumprimentos, antes de libertar a sua
aparente letargia, que não terão visto, logo no início da primavera,
logo agora que tínhamos mais tempo, num tempo que urge.


[miscelânea]
[22 de maio de 2020]


sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Para início de conversa




É o inverno retorcido e pegajoso, de cabelos em pé: 
Depois de uma chuva e um vento, com vidraça, obstinados; 
De um trilho de guarda-chuvas fortemente estropiados; 
De uns dias de igual dimensão, com menos luz e menos fé. 

O dezembro vai poderoso e não consegue fingir a maré, 
De nu que está, irredutível em não repetir tempos passados 
E a terra deseja criar e recriar e criar, com versos molhados 
a dissolverem-se, inevitavelmente, num infatigável rodapé. 

Agora, o sol, figura mais precisa, mas hesitante, de um apego 
De olhos abertos de espanto, vinca a paz do perene desassossego, 
Sôfrego, a mostrar que tudo permanece nos seus lugares enfadonhos. 

Quero surgir no avesso, do teu avesso, como que um aconchego, 
A suavizar a teia de Natal, onde nos suspendem os sonhos, 
Para resgatar-te desses anjos anafados e vagamente risonhos. 


 [miscelânea]



sexta-feira, 6 de setembro de 2019

extensão




o céu e o ulmeiro, de março, pejados de folhas novas, felizes,
tão repletos de aveiro, tão dentro e tão fora de nós e de si, agora,
afinam, em sol, o calor que nos enxuga o fantástico do horizonte
e que ofusca o imaginário do chão menos aprazível de um agosto,
já setembro, onde, há anos, tantos, continuas a ser maior e melhor,
e onde eu procuro ser mais do que irreal; mais do que uma chaga;
entender ou recordar a razão que me retém na inércia da história.
não é, não há, um arquivo e eu sou mais do mesmo que nunca serei.
na confissão do tempo, olho para trás, o cansaço de uma ilusão de óptica;
o encontro da felicidade nos tristes poemas tristes dos dias menos bons,
que são a canção de quem eu sou, no singular, o que não sabes nem vais saber,
para abreviar. deixemos o tempo, o céu, o ulmeiro, cada um no seu lugar.
por aí, eu sou a ideia de luz sem ouro na tua auspiciosa fantasia.
por aqui, olha, outra vez, e eu já não estou, já não estou só.


 [miscelânea]



quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Peça




O ulmeiro olha, em redor, num fingimento de não ser, 
de não ver, como quem olha para dentro da raiz. 
No fundo, coisas de quem vai perdendo a folhagem 
agastada, já dourada; coisas de quem vai sopitando. 
Aveiro é, agora, a ilusão da luz das ruas e das janelas. 
A cidade enrosca-se, como se aguardasse, em si, dias 
mais longos e mais quentes, ou uma ideia de calor; 
como se guardasse a maré viva, ainda bem viva. 
Mas, é a chuva que, a pulso, estabelece a ordem, 
ensopando, cuidadosamente, o ar, a terra, os canais. 
E nada disto é novo, nem a delicadeza dos olhos da casa. 


 [miscelânea]



quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Pequena pressa




Aveiro aproxima-se da veemência de um pensamento 
lateral e a ria reluz, figurada, sem resposta imediata 
para o céu de pressa, negrito, sublinhado e aristocrata, 
que é uma membrana de constrangimento. 

Pressa. A pressa da palavra que ultrapassa. 
A prece da palavra que vem atrás, à pressa, 
pela pressa da palavra que atravessa, não atravessa. 
A armadilha da pressa na mensagem que não passa
e a poesia não garante a integridade da informação
de um caminho incerto e que surge em contramão. 


 [miscelânea]



terça-feira, 6 de novembro de 2018

Aniversário


Ao meu pai


A pedra pergunta «lembras-te de mim?» com se dissesse, a gosto, 
a vida, devolvendo o eco da interrogação involuntária do meu rosto; 
e a chuva cai, como é usual precipitar-se: indiferentemente. 
Acendo o teu aniversário. Dizem-me que, aqui, tudo termina 
mas, é aqui que inicia um universo de ternura que me ilumina. 
Olho, sem ver, o tiritar da chama da vela condescendente; 
não vislumbro céus ou infernos, apenas uma ou outra alegria 
e cenas dispersas, tingidas de bruma e de pó consistente 
com a exactidão que a memória tenta garantir às histórias e a fantasia. 


 [miscelânea]



segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Choque frontal




Olho, outra vez, e já não estás. Ficou como que uma teia 
de névoa: o nosso tempo não se encontra; o momento 
era o beijo e o abraço, imaginários; tu querias tudo 
e tudo era no exacto instante do tudo que eu não podia 
porque, eu trazia a realidade da distância colada ao corpo 
e, pior do que trazer o verão no teu inverno e o inverno 
no teu verão, eu trazia o outono na tua primavera e as flores 
da minha primavera não rematavam o teu rigoroso outono; 
o meu futuro era um sítio diferente, encontrava-me em ti, 
mas perdia-me do teu; levantei muros e pontes inacessíveis, 
quando levavas o vento e a intenção de um horizonte que trazias, 
para lhes repararmos as linhas que não existiam, nem podiam 
existir; eu cruzei e construí discursos, cada vez mais, formais 
e, no enredo de todos os fios de pensamento, a bateria ficou 
fraca. Olho, outra vez, e já não estás, de novo: choque frontal. 


 [miscelânea]



domingo, 4 de novembro de 2018

Leve




A luz ténue vibra com a metáfora da azáfama dos sons dos pássaros. 
Repouso Mendelssohn, o dia pede Vivaldi, mas acordo o Chopin, 
que acorre, com a refinação do piano, aos múltiplos cantos da casa 
e à alegoria de uma hipotética presunção que apascenta nuvens. 
Um «bom sentimento», como um «bom proveito», ou mesmo 
um «bom apetite» e o tecto cada vez mais longe e menos branco. 
Não sei como será a chuva e o frio que me esperam na rua, 
ou como será a voz do vento de hoje e quantos quotidianos trará. 
Os dias começam sem o acaso de um prefácio, mas com a possibilidade 
de um resumo meteorológico impreciso e de um desejo de bom dia: 
Tem um dia leve e feliz! 


 [miscelânea]



sábado, 3 de novembro de 2018

Circular




Os flamingos vivem no seu instante perpétuo, um 
equilíbrio irrepreensível que ampara o céu e segura 
a água onde nascem palavras que cheiram a mar. 
Digo, em sussurro, para mim, como quem acarinha, 
como quem acredita: estou bem, acontece poesia. 
Os meus nomes correm nas costas do vento que sei 
da ria vagarosa e que nasce em cada ser que a vê: 
tão fácil, tão pura, tão frágil, tão interior e palpável, 
onde Aveiro se aninha para que a possam amar. 
Mas, não desta forma selvagem, num bloco de betão, 
onde a ferida fala e a convalescença diz o último olhar: 
vou ficar bem, na espessura das sílabas de um sorriso 
de espécie vertical e permanente, da família subtil, 
um brilho que se sente e senta bem dentro e verde. 


 [miscelânea]



sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Em movimento




Respiro o novembro preciso que o chão de Aveiro exala. 
Aparentemente, todos querem ver coisas, ver-me coisas; 
coisas, todos querem dizer-me coisas, que não respiram. 
Eu escrevo coisas, coisas que se transformam em coisas. 
Escrevo, no estendal, como quem estende a tarde, 
para que ele não perca, já com a sua figura imprecisa, 
com linhas titubeantes, visíveis, apenas, para manter 
a ilusão, como que um certo conforto de aparência. 
E são, agora, as cordas que conduzem as palavras 
às coisas escondidas, ou que já não se podem ver, 
e é o que não se pode ver que me define, que me definha. 


 [miscelânea]



quinta-feira, 1 de novembro de 2018

A figura




Assisti à chegada da noite com as suas coisas de inverno, 
ainda em outubro, ainda a tempo de um gesto perfeito. 
Mas, o mundo não pára, o trabalho não avança, 
nem mesmo a poesia melhora, só porque chega, 
abruptamente, a sua forma precisa; a sua urgência 
caucionada; o seu poder animal: tarde, já noite. 
  
Eu não quero esperar mais; contar mais; 
sentar-me na sensualidade das nuvens de Aveiro; 
aquecer no esquecimento; subir ou descer, ainda. 
Não quero ser a vez, a palavra, a tinta ou o papel; 
nem a superfície, ou a matéria, para os dedos do frio 
que se propaga na amálgama de todo este espaço, 
que sabe dizer o silêncio que eu espelho 
e onde ganho a paz, a força da paz, a fome da paz. 


 [miscelânea]




quinta-feira, 11 de outubro de 2018

[Substância]




Sem olhar, sacudi-o, não sei que bicho me mordeu. 
É como que uma saída clássica e simples, um fio 
de esquecimento que nos prende ao algoritmo da vida. 
Depois, caí da nuvem, sem saber porquê, e levanto, agora, 
o braço, de veias acesas. Peço a vez para escrever silêncios 
mais compreensíveis, bem se vê, em verde Portalegre, 
extenso, vestidos de perspectiva ternamente arrefecida. 
Não há, pois, nunca houve, por aqui, ponto de vista, 
passadiços de amor de estação e, como se começasse, 
despeço-me do Verão, como se adiasse a desconstrução 
do tempo e temesse o menear ou a amotinação de sombras 
antigas. Um penúltimo e um último olhar memorizam a cidade: 
um acto de alinhar os volumes, de organizar e limpar a luz, 
de ordenhar as cores, de apascentar a vontade… 
antes de atravessar o momento que renasce à flor da terra. 


 [sobrevoo]