terça-feira, 29 de julho de 2008

Sexo dos Anjos Spot TV 1


http://www.monomito.com/
http://www.youtube.com/watch?v=rhg9cK_PzMQ

     
Filme integrado na campanha de sensibilização para a realização do teste VIH/sida, lançada pela Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida em Julho de 2008. Escrito, produzido e realizado pela Monomito Argumentistas.

sábado, 17 de maio de 2008

Curso da amizade



Curso da amizade

Correm as palavras, ao sabor da lembrança,
Ora serenas, ora apressadas e saltitantes.
Os dias passam e nada é como era antes,
Cresceu uma amizade plena em bonança.

Vai mais além do que a vista alcança,
Do outro lado do mar, e sem navegantes,
Com opiniões afáveis e reconfortantes,
Benquerença, simpatia e confiança.

Cresce uma saudade impensada,
Uma ânsia agradável e imprevista,
Que aguarda pela tua virtual chegada.

Corram palavras, corram com vista,
Corram sem temer tempestade ou saraivada
E levem esta brisa optimista.

Aveiro, 16 de Maio de 2008

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Falar sobre YouTube - Amorphis - The Smoke

 Citar




 The Smoke

In my dream smoke followed me
As on fire the whole world had been
To the yard I walked in
Up the frontstep and opened the door

Cranes flew over to the North
As I walked on dry
And passed through a grove
Yellow with flowers

They had been expecting me
They said so and I believed
Im my dream smoke came to me
And we became as one

I am smoke

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Digo eu

   
Grita a liberdade
-Subordinação, um desassossego!
 
Afastei-me da brisa suave e fugaz,
Para que não sentisses ciúme;
Saí do planalto e do cume,
Para que não me chamasses cartaz.
 
Fugi da embriaguez da maresia audaz,
(A minha felicidade era o teu azedume),
Arquei com tudo, como quem assume,
Mas, de mais, eu não sei se sou capaz.
 
Esperei por uma palavra, por um toque,
Uma carícia ténue, subtil, suave…
Andei iludido, perplexo, a reboque!
 
Neste meu canto modesto, sem chave,
Estou sempre a um canto, em choque!
De nada serve a sujeição, é um entrave!
 
- Henrique Caldeira
  24 de Abril de 2008

O que eles dizem (IV)






     «O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o princípio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.»
 In Livro do Desassossego, Bernardo Soares (semi heterónimo de Fernando Pessoa)


quarta-feira, 23 de abril de 2008

E hoje... (III)


     ...Sei que estou atrasado.


     Posso, até, correr, mas já perdi muito tempo.
     A falta de tempo na minha vida profissional e pessoal é, cada vez mais, um problema. Terei que intervir na gestão do meu tempo. Não posso alterar o número de horas que um dia tem e o planeamento e a organização adoptada não resultaram. Para já, o esforço não valeu a pena.
     Recolher pedra.


     Recomeçar…



<!--[if !supportLineBreakNewLine]-->

<!--[endif]-->

Linhas de Apoio a Grávidas e Mães, em Portugal


Lista de algumas das linhas de apoio a grávidas e mães, em Portugal:

    
          - Contacto: 213 862 020 
          - Emergência: 808 201 139 (2ª a 6ª entre as 10 e as 18 horas).

          Linha de informação, apoio e assistência a grávidas.


  • Adolescentes - Apoio a mães adolescentes: 800 202 484

  • Gravidez não desejada: 808 202 710







(Última reedição a 2016-10-04)

 -


quinta-feira, 17 de abril de 2008

Falar sobre YouTube - NIGHTWISH - The Islander

        A Nuclear Blast Europe disponibilizou, no Youtube, o novo vídeo clipe dos NIGHTWISH, o terceiro single "The Islander" ("Os ilhéus"). O vídeo foi filmado e realizado por Stobe Harju em Rovaniemi, Finlândia, próximo do círculo polar, no final de 2007.


Citar
YouTube - NIGHTWISH - The Islander
  



quarta-feira, 16 de abril de 2008

U2 -Bloody Sunday




Sunday Bloody Sunday
I cant believe the news today
Oh, I cant close my eyes and make it go away
How long...
How long must we sing this song?
How long? how long...

cause tonight...we can be as one
Tonight...

Broken bottles under childrens feet
Bodies strewn across the dead end street
But I wont heed the battle call
It puts my back up
Puts my back up against the wall

Sunday, bloody sunday
Sunday, bloody sunday
Sunday, bloody sunday (sunday bloody sunday...)
(allright lets go!)

And the battles just begun
Theres many lost, but tell me who has won
The trench is dug within our hearts
And mothers, children, brothers, sisters torn apart

Sunday, bloody sunday
Sunday, bloody sunday

How long...
How long must we sing this song?
How long? how long...

cause tonight...we can be as one
Tonight...
Tonight...

Sunday, bloody sunday (tonight)
Tonight
Sunday, bloody sunday (tonight)
(come get some!)

Wipe the tears from your eyes
Wipe your tears away
Wipe your tears away
I wipe your tears away
(sunday, bloody sunday)
I wipe your blood shot eyes
(sunday, bloody sunday)

Sunday, bloody sunday (sunday, bloody sunday)
Sunday, bloody sunday (sunday, bloody sunday)
(here I come!)

And its true we are immune
When fact is fiction and tv reality
And today the millions cry
We eat and drink while tomorrow they die

The real battle yet begun (sunday, bloody sunday)
To claim the victory jesus won (sunday, bloody sunday)
On...

Sunday bloody sunday
Sunday bloody sunday...
 Alguma informação adicional :

segunda-feira, 7 de abril de 2008

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Abandono




Um simples gesto de aparente abandono, um afastamento forçado e forçoso. É assim que tenho vivido os dois últimos meses. Afastado, retirado, por motivos de força maior, que me deixam com uma força bem menor, num mal maior.
.
.
.
photo © Jan Teunis for openphoto.net
CC:Attribution-ShareAlike

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Provérbio Árabe - I

"Não diga tudo quanto sabes
não faças tudo quanto podes
não creias em tudo quanto ouves
não gastes tudo quanto tens

porque
quem diz tudo quanto sabe
quem faz tudo quanto pode
quem crê em tudo quanto ouve
quem gasta tudo quanto tem

muitas vezes
diz o que não convém
faz o que não deve
julga o que não vê
gasta o que não pode"

terça-feira, 18 de março de 2008

Fórmula



     Não encontro a forma, nem a fórmula. Recolho-me e encolho-me. É inútil forçar a natureza, esta mola, mole e teimosa.

     Hoje colho todos os ventos, os que, de facto, semeei e aqueles que dizem ter semeado. Permito-me ser flexível. Não pretendo acrescentar ódio e ira a quem vem. Por vezes sabe bem ser de outra têmpera, ainda que destemperada.

segunda-feira, 3 de março de 2008

Falar sobre YouTube - Epica -Sensorium

 



Epica - Sensorium
Composição: Mark Jansen  (http://letras.terra.com.br)
Chance doesn’t exist but the path of life is not totally so predestined
And time and chronology show us how all should be in the ways of existence
To find out why we are here....

Being conscious is a torment!
The more we learn is the less we get.

No one survives the whole. Focus on things so small, but life’s objective is to make it meaningful!
Only Searching for this; that which doesn’t exist.
Although our ability to relativize remains unclear.

Being conscious is a torment!
The more we learn is the less we get.
Every answer contains a new quest; a quest to not existence, a journey with no end.

”I’m not afraid to die! I’m afraid to be alive without being aware of it.”

I’m so afraid to, I couldn’t stand to waste all my energy in things that do not matter anymore.

Our future has already been written by us alone, but we don’t grasp the meaning of our programmed course of life, we only fear what comes and smell death every day.

Our future has already been wasted by us alone and we just let it happen and do not worry at all.

Our future has already been written by us alone, but we don’t grasp the meaning of our programmed course of life, we only fear what comes and smell death every day.

Search for the answers that lie beyond!

Being conscious is a torment!
The more we learn is the less we get.Every answer contains a new quest; a quest to not existence, a journey with no end.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Narrativas crónicas

   
     Muitas mesuras e salamaleques depois, surge a nova perspectiva, o plano pessoal e de vitimização.
  
     A personalização deixou marcas profundas no caso, sem acaso. O acto e o efeito alteraram o curso dos acontecimentos, deixaram roturas profundas no sentimento. O entendimento ficou fora das cogitações, acções e reacções próximas. A oferta disponível era a da indisponibilidade total de acordo e havia o segredo, que ele conhecia e que não poderia revelar. Conhecia-o sob a forma de promessa sacramentada de não divulgação.
   
  

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Jorane!






Bobby MCFerrin with Jorane - "Riopel"
 



  
Jorane - "Pour Gabrielle"



Editado a 8 de Fevereiro de 2013, para incorporar vídeo de outro canal, por indisponibilidade do anterior.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Nightwish - Gethsemane






Nightwish - Gethsemane [Lyrics]
Toll no bell for me, Father
But let this cup of suffering pass from me
Send me no shepherd to heal my world
But the Angel - the dream foretold
Prayed more than thrice for You to see
The wolf of loneliness in me
...not my own will but Yours be done...

You wake up, where's the tomb?
Will Easter come, enter my room?
The lord weeps with me
But my tears fall for you

Another beauty
Loved by a Beast
Another tale of infinitely dreams
Your eyes they were my paradise
Your smile made my sun rise

Forgive me, for I don't know what I gain
Alone in this garden of pain
Enchantment has but one truth:
I weep to have what I fear to lose

[Repeat chorus]

"I knew you never before
I see you never more
But the love, the pain, the hope, O beautifull one
Have made you mine, 'till all my years are done"

Without you
The poetry within me is dead.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

A feliz chaga

  
A feliz chaga
  
Sou um nada que incomoda!
Sou o um que não conta,
O zero que desconta,
Que escreve fora de moda.
  
Sou um quadrado que roda,
Um assustado que amedronta,
Um pacato que afronta
E se enrola mais que denoda.
  
Mas, é esse o meu préstimo, se existo:
Ser, mesmo que não o seja!
Sê-lo antes que parecê-lo, benquisto!
  
Brota a vontade que me deseja,
E já que sou e não desisto,
Sou da vida, aquele que a festeja!
  
Novembro de 2007
  
  

Xutos & Pontapés - Circo de Feras






Jeff Dunham - Spark of Insanity

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

U2 -With Or Without You




U2 - With or without you

See the stone set in your eyes
see the thorn twist in your side,
I wait for you.

Sleight of hand and twist of fate
on a bed of nails she makes me wait
and I wait without you.

With or without you
with or without you.

Through the storm we reach the shore
you give it all but I want more
and I'm waiting for you.

With or without you
with or without you
I can't live
with or without you.

And you give yourself away
and you give yourself away
and you give
and you give
and you give yourself away.
My hands are tied
my body bruised, she's got me
nothing to win and
nothing left to lose.
And you give yourself away
and you give yourself away
and you give
and you give
and you give yourself away.
With our without you
with or without you
I can't live
with or without you.
With or without you.



O que eles dizem (II)


     Eis um teste para saber se já concluiu a sua missão na Terra: se você está vivo, não terminou.
       (Richard Bach)
  



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Nightwish – Amaranth






Nightwish
Amaranth

Baptised with a perfect name
The doubting one by heart
Alone without himself

War between him and the day
Need someone to blame
In the end, little he can do alone

You believe but what you see
You receive but what you give

Caress the one, the Never-Fading
Rain in your heart - the tears of snow-white sorrow
Caress the one, the hiding amaranth
In a land of the daybreak

Apart from the wandering pack
In this brief flight of time we reach
For the ones, whoever dare

You believe but what you see
You receive but what you give

Caress the one, the Never-Fading
Rain in your heart - the tears of snow-white sorrow
Caress the one, the hiding amaranth
In a land of the daybreak

Reaching, searching for something untouched
Hearing voices of the Never-Fading calling

Caress the one, the Never-Fading
Rain in your heart - the tears of snow-white sorrow
Caress the one, the hiding amaranth
In a land of the daybreak.

Compositor: Tuomas Holopainen





sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Obediência fedorenta


Gato Fedorento – Escola de obediência para jornalistas




O que eles dizem







     «Sofrer ainda é viver »
      Romain Rolland

     França
     [1866-1944]
     Novelista, Biógrafo, Compositor e Musicólogo





Hoje... (III)




     ...Tenho mais uma dúvida. Quando me dizem «Você é o mestre das situações», o que devo pensar?
  



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Pink Floyd - High Hopes

§




Pink Floyd - High Hopes (Division Bell Tour)


Beyond the horizon of the place we lived when we were young

In a world of magnets and miracles
Our thoughts strayed constantly and without boundary
The ringing of the division bell had begun
Along the long road and on down the causeway
Do they still meet there by the cut
There was a ragged band that followed in our footsteps
Running before time took our dreams away
Leaving the myriad small creatures trying to tie us to the ground
To a life consumed by slow decay

The grass was greener
The light was brighter
With friends surrounded
The nights of wonder

Looking beyond the embers of bridges glowing behind us
To a glimpse of how green it was on the other side
Steps taken forwards but sleepwalking back again
Dragged by the force of some inner tide
At a higher altitude with flag unfurled
We reached the dizzy heights of that dreamed of world

****

Encumbered forever by desire and ambition 
There's a hunger still unsatisfied
Our weary eyes still stray to the horizon 
Though down this road we've been so many times

The grass was greener
The light was brighter
The taste was sweeter
The nights of wonder
With friends surrounded
The dawn mist glowing
The water flowing
The endless river

Forever and ever
  
§

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Hypocrisy - Eraser

ºº





Hypocrisy

- Eraser

Here it comes to subject the terror you forgot
No memories from the past
The unexplainable starts to appear
As your sub-consciousness begins to come back again

Reality fades away
You try to find a solution
Here it's coming now, indecision
You're free but you can't see through the confusion

[Chorus]
There is no time
No time to regret
The eraser's coming for your life
You got to run
Stay away from the light
The eraser's here to twist your mind

Feel your soul connected to the universe
The solstice is complete
They controlled your thoughts
You will remember now, what it's all about

Twist the end around, violation
It's burning deep and twisting under your skin
It scares you forever
The proof you will find in your dreams

[Chorus]



E hoje… (II)

 Deserto 

fotografia de morenitta.

     ... Pior do que a sensação aflitiva de quem corre e não consegue sair do lugar, sinto que não sei para onde me estou a encaminhar. Fujo dos lugares comuns, fujo das pessoas, mas não consigo fugir... Nem sei para onde vou...

     *** intervalo***   
     

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Barclay James Harvest - 'Mockingbird'

b
b





Rain, sea, surf, sand, clouds and sky
Hush now baby, don't you cry
There's a mocking bird
Singing songs in the trees
There's a mocking bird
Singing songs
Just for you and me
Rain, sea, surf, sand, clouds and sky
Time will see your tears run dry
There's a mocking bird
Singing songs in the trees
There's a mocking bird
Singing songs
Just for you and me

Rain, sea, surf, sand, clouds and sun
Bless the tears of love now gone
There's a mocking bird
Singing songs in the trees
There's a mocking bird
Singing songs
Singing just for me...




  

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Digo eu! (I)

  

     “Somos limitados por tudo o que não sentimos” Natalie Clifford Barney
       Estados Unidos
       [1876-1972]
       Poetisa/Compositora/Novelista/Ensaísta
                                 
                     
     E, por outro lado, também, por tudo aquilo que sentimos.
     (Digo eu!)
        
         


terça-feira, 22 de janeiro de 2008

[Florbela Espanca] Não ser



Não Ser
 
Quem me dera voltar à inocência  
Das coisas brutas, sãs, inanimadas, 
Despir o vão orgulho, a incoerência: 
- Mantos rotos de estátuas mutiladas! 

Ah!  Arrancar às carnes laceradas 
Seu mísero segredo de consciência! 
Ah!  Poder ser apenas florescência 
De astros em puras noites deslumbradas! 

Ser nostálgico choupo ao entardecer,  
De ramos graves, plácidos, absortos 
Na mágica tarefa de viver! 

Ser haste, seiva, ramaria inquieta,  
Erguer ao sol o coração dos mortos 
Na urna de oiro duma flor aberta!... 


-Florbela Espanca





segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Memória descritiva




















Um dia estava só e tão abarrotado de gente em danças,
Que não ambicionava, nem cobiçava, mais mudanças.
Estava ferido, cansado, sem expectativas, sem fado.
Não queria beijar, amar, nem, simplesmente, ser desejado.
E, sem saber porque actos, circunstâncias ou sensações,
Ofereci-te, sem reserva, as minhas despojadas lembranças
E o amor sincero, despudorado, livre e sem pretensões,
Que não fossem as de amar puramente e sem alucinações.
Um amor sem mordaças, sem cativeiro, sem cobranças.

Descido até às invisíveis ordens e venturas da benquerença,
Normal e em tudo semelhante aos comuns e meus iguais,
Elevado até ao desprendimento de uma qualquer crença.

Dediquei-te os meus dias, as minhas carícias e alegrias.
Conheces os meus temores, os odores e as fobias.
Sabes tudo sobre os meus olhos tristes e mareados,
E sobre os meus assombros em momentos reservados.
Abri o meu peito e não existiu qualquer assunto proibido,
Dei-te amparo, aconchego, sonhos, agrados e poesias.
Transformei em experimentado, o mundo desconhecido
E em sorrisos os momentos em que me senti aborrecido.
A partilha foi franca entre realidades, dúvidas e fantasias.

Brotava a razão, sem causa, numa autêntica felicidade,
Despida de qualquer exactidão de conclusões, ou atilhos;
Coberta com o manto espesso da cegueira da intimidade.

Não te exigi, nem pedi, favores, mordomias ou benefícios,
Nem qualquer acto transcendente, ilícito ou artifícios.
Parecias aceitar, quando não aceitaste, o meu primeiro fruto,
Que escarneces num acto contínuo, calculado e resoluto.
Usas as minhas fraquezas, por mim, humildemente enunciadas,
Como tormentos, flagelos e castigos, em sacrifícios.
Gastas as acusações, já acabas, vãs e não materializadas,
Em arremessos revelados de tormentas e saraivadas.
Lanças o desdém e o escárnio, ilimitado, aos meus ofícios.

Laivos de insanidade inquirem a astúcia do conhecimento,
Nos rios do rústico engenho da maldade e do mando.
Só a barragem trava e debilita o seu afanado desenvolvimento.

Não sei porque me cansei de ser esquecido e ignorado,
Porque sou sempre o que está errado e despropositado.
Porque permaneci, constantemente, um estranho, para ti?
Porque me abraçaste e aceitaste, se nunca o mereci?
Estranho-me na realidade que não vejo e de que desconfio.
Desconheço-me na revolta e neste sentimento amargurado,
Que me permitem o descontrolo, a raiva e o desvario.
Não quero esta desculpa para o delírio que propicio
E não quero alimentar a disputa de um discurso desramado.

No calor gélido de um conflito cego, vil e improdutivo,
De uma hora aziaga, perpétua, ainda que fugaz e efémera,
Perece a inocência e solta-se o ordinário substantivo.

Permaneceste fria e distante e eu, um desconhecido vulgar,
Fora do propósito da criação, do acerto da vida e do lugar.
Não interessa o conluio da proximidade distante do passado,
Ou a distância do presente intenso, expressivo e mascarado.
Importa a vontade de mover, decididamente, a eternidade,
A determinação de aplacar o inferno e pacificar o mar,
A audácia de prosseguir, seja esta ou outra a realidade,
De sorriso estampado, rasgado, no rosto de fidelidade.
Sim, tropeço, escorrego, erro, mas continuo, bípede, a andar.

Sem pedir, foi-me dado o descontentamento, que rejeito.
Fui arrastado para a indiferença que orbita sem intenção,
Longe de um fundamento, ponderação, senso ou respeito.
  
Se outro eu, que não o eu de agora e sempre, sucumbir,
Não será por falta de querença, por ânsia de fugir.
Será o destempero do discernimento, em trejeito de arlequim.
Não tenho nada para poder provar a alguém, só a mim,
A dor ou o contentamento, a saudade ou a imprudência.
Bem sei que as perspectivas moldam o modo de sentir,
A verdade pode pertencer a um plano e a uma consciência,
Mas sei que este propósito de salvar e preservar a providência
Pode levar-me a diligenciar a saída e, por fim, a partir.
  
Carregado de princípios e causas, grandes e pequenas,
Sou um ser humano comum, que sabe de onde vem,
E irei com como estou, com palavras francas, apenas.


Braga, noite de 14 para 15 de Janeiro de 2008.




In My Defence





 
     A tribute from director Rudi Dolezal to the Legend. Features many outtakes from the videos and funny moments by Freddie.

     Artist(Band):Queen 


In My Defence 
  
In my defence what is there to say
All the mistakes we made must be faced today
It's not easy now knowing where to start
While the world we love tears itself apart
I'm just a singer with a song
How can I try to right the wrong
For just a singer with a melody
I'm caught in between
With a fading dream
 
In my defence what is there to say
We destroy the love - it's our way
We never listen enough never face the truth
Then like a passing song
Love is here and then it's gone
  
I'm just a singer with a song
How can I try to right the wrong
For just a singer with a melody
I'm caught in between
With a fading dream
  
I'm just a singer with a song
How can I try to right the wrong
I'm just a singer with a melody
I'm caught in between with a fading dream
Caught in between with a fading dream
Caught in between with a fading dream
  
Oh what on earth
Oh what on earth
How do I try
Do we live or die
  
Oh help me God
Please help me