quarta-feira, 14 de julho de 2010

Arranjo figurado

Ria de Aveiro
  
Arranjo figurado
  
Silêncio!
Desmantela a frase,
Despe o vocábulo raso
E contempla o sol que extravase
O horizonte do ocaso.



Silêncio!
Ouço o cântico de uma musa esclarecida,
Madura;
Ouço o cântico de uma brisa de fim de tarde,
Morna;
Ouço o rosnar de uma cor desvanecida,
Insegura;
Ouço o riso de uma labareda cobarde,
Transtorna;
Ouço o troar dos afectos escusos,
Extintos;
Ouço os teus olhares intrusos,
Famintos.



Silêncio!
A morte também falece de amor,
Junto ao leito quente
Do amante ausente;
Próxima da vida do dissabor.



Silêncio?!
Antes a paz.


S. Bernardo, 14 de Julho de 2010.

Sem comentários:

Enviar um comentário