terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Rótulo de perdão




A etiqueta, da tua classificação,
Que disparas e colas, arrelia
E, outras vezes, cativa e delicia.
Leva e dá, alimenta e mata a confusão.
   
A arbitraria e desejada formatação,
Arvorada pela tua rebeldia,
Não passa de uma fantasia,
De personagem mimada, e frustração.

Não destruíste nada, construíste!
Compuseste o meu crescimento.
Não te cales, nem fiques triste.
  
Podemos, juntos, olhar para o firmamento
Com a alegria de quem, sem rancor, assiste,
Livre de amargura, vergonha e fingimento.
   
07 de Novembro de 2007
 


1 comentário: