segunda-feira, 27 de julho de 2009

Noite, dia de Julho



Noite, dia de Julho

Falta o um sono para vir o descanso,
Sobram os sonhos para correr a vida.
Avança pronta mais uma hora decidida,
Rumo a um futuro sem um alcanço.

Ando lento, mas na verdade ando manso.
Noto sem ver quem vai sempre de partida,
A noite, sempre ela altiva e assumida,
Pronta para levar, tirar e dar o balanço.

Diz-me porque os teus olhos já não brilham,
«Durmo.» Não pode ser a simples resposta.
Os meus procuram, perguntam e fervilham.

Mais tarde ao acordar, de vontade deposta,
Sem saber quantos enganos me palmilham,
Vou lutar com a força de quem ama, e gosta.
  

Esgueira, 12 de Julho de 2001.

Sem comentários:

Enviar um comentário