terça-feira, 6 de agosto de 2013

quem a não tem





há vida por aqui
e a vida circula por aí
o rumo pare passados e lembranças
há uma vespa em cima do ponto final
e eu estou no remate de uma frase envolvente
a agra ingressa na equação simples
o sol brilha por entre a rama de sonhos
pairam pedaços de poesia permeável
em sombras hesitantes de momentos decididos
no balanço da coragem de braços subjugados
pelo arbítrio indivisível da serenidade livre
contrários ao sentimento e aos sonhos acolhidos
na cidade perene e dormente
indiferente aos drenos da inexistência



2 comentários:

  1. Laura Letra06/08/13, 13:12

    Bravo! Ou seja, eu gosto!
    :)
    bjks

    ResponderEliminar
  2. que o sol possa sempre brilhar e dar continuidade aos sonhos
    beijinho

    ResponderEliminar