quinta-feira, 11 de abril de 2013

retomar




às vezes tudo parece irreversível e planeado
a rotina e o cíclico involuntários fundem-se e incorporam
e a sucessão grada a normalidade e a frequência

por vezes é difícil recordarmos a pessoa que somos
projectados em sons e reflexos singulares
o corpo é demasiado exíguo
o mundo excessivamente estreito
e o tempo é uma memória

a vida apela-me para tantas coisas em simultâneo
sinto que não estou num abraço que não chega nem basta
o amor não existe no sobressalto
e por vezes perdemo-nos da existência
quando tentamos tão só e apenas encontrar-nos



20 comentários:

  1. Quando estamos a ser uma roda na engrenagem da rotina nem vemos os apelos da vida, todos pairam ao lado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é, e a própria vida e os seus ciclos, por vezes, também nos apelam a novas rotinas que se avolumam e nos envolvem e envolvem...
      Célia, obrigado!
      beijinho

      Eliminar
  2. A junção dos pronomes pessoais (sujeito) na primeira pessoa do singular e do plural, na minha opinião, é "deliciosa". De resto, é parte de tudo aquilo que eu gostaria de dizer, ou de saber dizer, assim, mas, sem copiar. :)
    Entre outras mensagens, encontro as rotinas, os afazeres e o que é (ou aparenta ser) cíclico, que nos torna ausentes, onde o tempo se apresenta como uma memória e as buscas e/ou o retorno ainda nos afastam mais.
    Bom fim de semana!
    Bjks

    ResponderEliminar
  3. Henrique,
    Intenso e, brilhante.
    Ciclos que nos trajam e, desnudam de pensamentos, desejos e, ações num palco enorme de emoções que nomeio de vida e, que cada um de nós é protagonista.

    Por vezes, ensaiámos no escuro e, no silêncio. Outras vezes atuamos perante uma plateia cujos rostos e, aplausos são os desejados.

    Um laço neste final de dia de mim para si.
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um comentário muito generoso, Ana. Obrigado!
      beijinho

      Eliminar
  4. E sempre estamos a querer fazer melhor e esquecemos que temos um mundo inteiro para olhar para viver e é urgente que seja agora.
    Seu poema é uma lufada de ar,uma retomada. Lindo!
    abraços Henrique

    ResponderEliminar
  5. às vezes viver é "difícil" no sentido de agradar a todos.
    belo trabalho de poesia.

    boa semana.

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      E as tentativas de agradar a todos podem resultar em não agradar a ninguém.
      Obrigado, Piedade!
      beijinho
      ;)

      Eliminar
  6. Encontrar-nos no vai e vem da vida é talvez a mais dificil tarefa do viver...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É necessário, por vezes, não ter vertigens, ou esquecê-las, e um grande jogo de cintura (equilíbrio).
      Obrigado, Frida!

      Eliminar
  7. Olá, Rique! :)
    Por vezes o amor fica escondido num verso. Um poema lindíssimo.
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  8. não é facil nos encontrar-mos quando aparentemente nos encontramos perdidos, e estamos perdidos bem mais vezes do que gostamos,mas o caminho é para a frente e é para a frente e dentro de nós que esse encontrop se faz
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também creio que é assim, Luna. Esse caminhar e encontro são fundamentais.
      Obrigado!
      beijinho

      Eliminar
  9. Sempre encontro um pouco de mim nos seus pemas... Belíssimo texto =))

    ResponderEliminar
  10. E mesmo assim vale a pena continuar buscando respostas. Mudamos a cada dia, o que nos faz prosseguir, muitas vezes, em caminhos diferentes. Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, e é importante que o caminho seja o que entendemos por «correcto», em vez de insistir no que entendemos por «caminho errado».
      Obrigado, Marilene!
      Abraços

      Eliminar