segunda-feira, 25 de junho de 2012

Manga curta


     Ouço o som produzido pela passagem do vento por entre as folhas dos álamos dos baixios próximos da ribeira e o som, em simultâneo, mas distinto, produzido pela passagem do vento, as mesmas rajadas de vento, pelas folhas dos pinheiros da encosta e dos carvalhos, próximos. No alpendre tilintam os tubos metálicos do espanta-espíritos. Os cães parecem procurar saber como estou e permanecem atentos aos ruídos que o vento produz ao passar por mim, enquanto o gato testa os seus abraços e ensaia a ladainha, que termina em súplica. Roga para que não o retire do meu colo. Perdeu o ar altivo e astuto, abandonou a presunção e a vontade de me desafiar e sabe que os cães não o importunarão aqui e que são determinados, persistentes e imensamente pacientes.

Sem comentários:

Enviar um comentário