quinta-feira, 11 de julho de 2013

saudade urbana




com o efémero por sombra
com palavras insolúveis
rumo ao muro caído
as imagens corrompidas pedem ajuda
neste lugar de improviso
onde os termos preenchem o vazio
nos alicerces das prosas soltas e livres
sem paralelo ou arbítrio de sons mais ténues
transporto um ponto num ancoradouro
e numa vontade sociável
que se funde no mar depois do céu



1 comentário:

  1. pena que as paisagens simples e belas cada vez se distanciem mais da tranquilidade e dos sentimentos que permanecem no ser humano
    beijinhos

    ResponderEliminar