domingo, 7 de julho de 2013

um eco em intenções de voragem


areia molhada


encontrado num sonho que talvez em sentidos não conheça
afastado dos meus semelhantes mais próximos ou distantes
dei palavras soltas aos corvos que comem só as consoantes
e eu fiquei com as vogais em suspiros suspensos em gemidos
de utopia e remoinhos de abismos fora do entendimento
e além do aforismo generalizado que vulgariza o indivíduo
a sentença que futiliza o parco sentimento desprotegido
não acredito na generalização incontestável de uma máxima




1 comentário: