sábado, 19 de abril de 2014

urbe XX




cheirei as dúvidas e as dores 
entre o sol do frio e da chuva 
a chuva do sol e do frio 
e o frio da chuva do sol 
já noite flutuante e membrada em fundo 
para intuir a forma das possibilidades infinitas 
nas fórmulas da relva sem medo e rociada 
enquanto a estátua descansava na expectativa 
ao som dos passos dos que carregavam ou seguiam 
o senhor também dos passos em dia de encontro 
nem sei porque ainda tremo ou venho aqui 
na aparência as ruas foram torturadas no íntimo 
e eu íntimo e confidente da cidade intrépida 
libertei o leme e descalcei os sapatos doloridos 


  

4 comentários:

  1. Talvez saibas que é nesses momentos que nos" descalçamos ", ou despimos de espectativas que vimos a verdade, a foto esta deslumbrante
    beijinhos de boa Páscoa

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde,
    Criação maravilhosa, o poema significativo na mensagem, a foto é impar na beleza, reflexos e nitidez está perfeito.
    Abraço
    ag
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar