terça-feira, 11 de abril de 2017

Trecho


Os versos do último poema acendem a manhã, 
sem ria. Encontra-me o assédio da primavera, 
no rebordo das miragens insólitas das planícies 
que compõem o horizonte geográfico da tua imagem. 
A tua imagem de futuro, um brilho obstinado de frases, 
a concha do desassossego num escaparate de poesia. 


 [massivo]



2 comentários:

  1. Impressionante... como um pequeno trecho... tem um caudal tão profundo... apenas em meia dúzia de linhas...
    Como sempre, um poema notável!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Lindo, lindo, lindo!

    ResponderEliminar