domingo, 22 de abril de 2012

Não é uma fórmula, é a forma


Evito palavras, reservo algumas.
Solfejo canções de embalar para serenar a ilha,
Lamento desafinar e destruir a melodia.
Não quero acertar, sempre,
E, por outro lado, nunca acertei.
Todas as músicas me conduzem a ti.
Pergunto-me porque não paro de tremer;
Se serei eu o vulcão;
Como nasce o amor.

Não amo metades ou meios,
Nem por meios ou pela metade.
Nunca sou só eu
E sou sempre eu mesmo,
Com a convicção de que, para sempre, não serei igual.


3 comentários: