sábado, 3 de novembro de 2012

Breviário [XXXI]


Por vezes somos um hiato do silêncio ou o próprio som; por vezes somos um projecto de qualquer coisa; por vezes «somos», ainda que o contraditem.


10 comentários:

  1. talvez sejamos sempre mais do que pensamos ser, quando rompemos o silencio com o som dos acordes do coração, talvez esse seja o projecto o deixar a vida fluir sem represas.
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não posso deixar de concordar. Sempre pensei, muito, nisto. Talvez devêssemos deixar de ser uma súmula, um abreviar, para ser por extenso.
      Beijinho

      Eliminar
    2. acho o mais importante é sermos fieis a nós mesmos e ir de encontro ao que verdadeiramente desejamos, a vida é uma passagem breve, acabamos por perder tanta coisa por causa dos condicionamentos
      beijinhos

      Eliminar
    3. Sim, esse deveria (deve) ser o princípio: a fidelidade a nós próprios.

      Eliminar
  2. «[...] Ainda que o contraditem.»
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Olá, Henrique! Sinto-me tantas vezes um hiato de silêncio. Sem sentido nenhum no som. Mas ser, sempre nem que o contraditem! E cá estou. Devagar, muito devagarinho mas estando. Passei ontem já tarde e li muito pouco, o que irei fazendo com calma. A noção de beleza e profundidade que interiorizo sempre nas tuas palavras assim deve ser absorvida e ponderada. Agradeço de coração!!! Tudo, a amizade e o carinho. Beijinho enorme, boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. [Muito tempo depois...]
      Obrigado, Verniz Negro!
      Beijinho

      Eliminar