sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Aqui, com um pé no infinito ou hoje, ainda ontem



Aveiro - Ria de Aveiro

Aqui, com um pé no infinito
 ou 
Hoje, ainda ontem


Estou na pulsão criadora do Universo,
O ímpeto gregário de agregação
E em qualquer parte, verso ou reverso.

Neste espaço que não é fronteira,
Neste tempo que emerge em qualquer período,
Tocámos-nos e tocamos, sem nos tocar, sem barreira.

Estivesse eu em Marte,
Poderia, ainda assim, sentir o teu odor
E reconhecer-te em qualquer parte,
No fio condutor do amor,
Esse meu desconhecimento, que se reparte.


4 comentários:

  1. Muito bom, Henrique! E a foto também é lindíssima. Transmite uma paz imensa.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. a foto está lindíssima.

    o poema muito terno e igualmente bonito.

    gostei!

    um bom fim de semana.

    beijo

    ResponderEliminar
  3. Essa ria é inspiradora.
    Gosto muito: do poema e da fotografia!
    Bjks

    ResponderEliminar
  4. a energia tem esse poder de se tocar sem tocar e o amor que é ~se não uma energia mais sublime
    beijinhos

    ResponderEliminar