quinta-feira, 16 de maio de 2013

Preposição

  

O lugar, esconso, perdeu o entendimento,
No tédio de um alusivo porquê,
E tomou o verso hesitante,
Que eu queria incorporar no vento
E no mar, sem rotina, sem dimensão,
Com vocábulos sem bocas e sem raízes;
Sem as congeminações dos espectros das juras;
Sem as lamúrias do querer.
Provavelmente, achar-me-ão em demência,
Mas não pode o querer desejar, sem apetecer.
Há um certo quê, de um relativo não sei o quê,
E de aparente inconstância instantânea,
Conquistado por anjos que mergulham
Em sombras de sonhos de frases.
Por isso, enquanto escrevo ajustes de poema,
Deixo espaços para o que não tem palavras,
Como, mas não só, para a melodia que me cinge;
Como para os sentimentos que me erguem.



13 comentários:

  1. Que lindos, lindos, os espaços que deixas para o que não tem palavras.
    E o anjo perfeito. Adoro estes velhos anjos esconsos nas catedrais e pequenos recantos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto, muito, desses anjos, por vezes com expressões inusitadas.
      Obrigado, Célia! És muito gentil!

      Eliminar
  2. "E tomou o verso hesitante,
    Que eu queria incorporar no vento
    (...)
    Deixo espaços para o que não tem palavras,
    (...)para a melodia que me cinge;
    Como para os sentimentos que me erguem."


    Gostei muito :)

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, pelo comentário generoso e visita!
      abraço

      Eliminar
  3. "Mas não pode o querer desejar, sem apetecer.
    Há um certo quê, de um relativo não sei o quê..."

    Não há inconstância na snsibilidade, outrossim o verdadeiro dom de ver para além da vulgaridade.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito no, e concordo com o, teu comentário.
      Obrigado!
      abraço

      Eliminar
  4. espaços que podem ser preenchidos, por palavras, sentimentos, por essa melodia que te cinge e chega até nós
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Brincas com as palavras de forma excepcional... ate mesmo quando deixa espaço para o que nao tem palavras...
    Beijo...

    ResponderEliminar
  6. palavras inquietas e bem lançadas...

    boa semana!

    beijos

    :)

    ResponderEliminar
  7. Um belíssimo poema, Henrique.

    ResponderEliminar