sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

quieta non movere


!aveiro
aveiro | portugal



são as palavras a falar por nós e a música a fluir 
da vertigem dos instrumentos, para declinar o silêncio. 
espero que o som seja mais do que um estilo, 
enquanto os sentimentos pagam o seu preço às notas. 

não colhi a flor dos dias, trazia a mão de semear bonanças. 
quero que a viagem seja mais do que uma partida, 
onde contornamos o adeus nas garras da comiseração. 
sabemos tão pouco. 

posso ser eu, no útero de viagens desavindas e precipitadas; 
a oportunidade dos murmúrios do corpo, que povoa páginas 
de céu aberto que escrevo com linhas de água. 

a tristeza e a apatia são as minhas manhãs de inverno, 
o frio que me circunda a cintura e comprime o peito, 
onde acordo, com uma vontade redobrada de lutar. viver. 




[o significado do silêncio]


3 comentários:

  1. Há música nessa imagem e nos seus versos!
    _ 'que a viagem seja mais que uma partida' maravilhoso!
    quero muito assim !
    Adorei Henrique ,belo poema_ bela foto!

    ResponderEliminar
  2. e se essa música impele a lutar que não deixe de tocar :)

    ResponderEliminar
  3. o inverno não dura eternamente e logo, logo a primavera chega

    ResponderEliminar