sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

vértice




aproximava-se um daqueles momentos de honestidade 
em que não há palavras a verbalizar. um daqueles momentos 
em que os olhos querem falar e a boca antecipa o gosto 
do beijo. quando tudo é olfacto, audição, visão, tacto, paladar 
e sentidos sem nome. o momento que antecede a precipitação 
do corpo para a substanciação que antecede a consubstanciação 
da matéria, do tempo, do espaço e das realidades. naquele exacto 
momento em que o universo se prontifica a parar, para que tudo 
seja o ali, o agora e não exista mais nada além. e pára. 

engoli mil vezes, mais uma, turbilhões. 
respirei fundo. 
li. fiquei imóvel. 
afinal, eu tinha que salvar o mundo. 


 [o significado do silêncio]

1 comentário:

  1. Então... mas... mas... ainda nem sequer nos conhecemos!!!! :-D
    Espectaculares fotos, e textos, por aqui!
    Adorei descobrir este espaço... se nos desejar descobrir a nós... estamos em artandkits.blogspot.com e adoraríamos a sua visita...
    Abraço! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar