sábado, 12 de dezembro de 2015

reserva




vê as coisas pelo lado positivo,
são coisas que cabem no silêncio:
o mesmo sol, praticamente;
sensivelmente, o mesmo mar;
mais ou menos, a mesma areia.
mas, eu estou diferente,
sentado na máquina do tempo.

para trás ficaram os meus poemas,
repletos de longe e de sítios imaginários
que se perdiam pelos dias transitórios,
a distribuir silêncios, olhos e afectos.
mas não aprisionei as palavras,
que brincaram ao quase existir,
ao quase tocar, que é: caber por sorte;
produzir um som; ter um ponto
de contacto; dar um sinal…

para trás ficaram os dias, como os meus
poemas, tão repetidos, que são, também,
a distância, que não voltaremos a alcançar.
ainda há tempo, ainda que seja um último
poema. há folhas em branco, espaços
por preencher ou por revelar, sangue… 
e a circunstância do amor. 


[o significado do silêncio]


2 comentários:

  1. (As circunstâncias podem ser tramadas! :) ...Indo ao encontro do teu sentido de humor.)
    A foto mostra uma natureza ao Deus-dará e encontro no poema uma tentativa de ordenar a natureza sentimental e racional, onde o silêncio é um ato contemplativo, talvez, e ponto de partida para a ação.
    :)

    ResponderEliminar
  2. Deixar o amor para trás dói.

    Beijos, Henrique. Belo poema e bela foto, como sempre!

    ResponderEliminar