terça-feira, 21 de agosto de 2012

Observar com contexto de lugar



Observar com contexto de lugar
ou
Estar fora

     Preparo-me lenta e calmamente para a sorte, com destino e sem destino. Estou cansado, em comparação com os fatigados.

     Lavei as mãos, que escreveram as últimas palavras na areia, no mesmo mar que lavou a areia e que apagou, da areia, as últimas palavras escritas pelas mãos lavadas. Isto aconteceu há uns dias e não lavei as mãos, precisamente, fiz com que a água salgada retirasse a areia que se fixara nas mãos, mãos que ficaram com o seu gosto e odor, o gosto e o odor do mar. Não ficou o seu som e, por bem, não se fixou qualquer cor. Não transporto o mar nas minhas mãos, embora o tenham, mas possuem um mundo, vago, com vários mares e marés.

     O mar fala-me sempre que me vê, não me diz o que quero ouvir, diz-me o que quer e o que lhe convém. Sem própria boca, ele não tem os seus próprios olhos, mas tem olhos próprios e boca própria. Ele tem ondas, quase sempre, e eu faço algumas, de vez em quando. Sei que somos amigos e por vezes, por vezes, zangamo-nos, mas devolveu-me sempre, assim como devolve algum lixo. É estranho lavar-me num amigo, que, de alguma forma, me suja e lava quando me molha e me lava sem me molhar.
  
     Prevarico, tomo banho todos os dias, pelo menos uma vez, quase sempre de manhã, não no mar e a areia não sai.

     Estou sentado, não há mar, não há areia. Não é tarde. Chegou a hora de entrar decididamente no destino que não existe e que se produz, depois de abrirem a porta.

     Abrem a porta.

     Os olhos adaptar-se-ão ao novo ambiente, à nova luz. Hei-de me erguer definitivamente, e os olhos comigo, em silêncio e com um esforço de esboço de sorriso ligeiro, para desabar desassombradamente no mar.

     O que importa?
  

1 comentário:

  1. O mar fala, fala assim, e na nossa pequenez perante ele diz-nos coisas barbaras que não queremos escutar mas estão lá, ele diz-nos também que só nós podemos lavar as mão da areia quando na verdade estamos dispostos a isso e aí tudo é possível, as vagas do mar acalmam e podemos sentir a leve brisa da acalmia do mar.
    beijinhos

    ResponderEliminar