quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Vago


     Depois do depois, vem o nada da presença e o nada da ausência; o peso incomum do tumulto das palavras amontoadas e a ligeireza descomunal do motim do silêncio. Cresce a poeira formada pelos sonhos, assim como os erros das recordações e das memórias.

     Em breve termina outro repto e está garantido o êxito do insucesso e o [meu] consequente triunfo. É necessário afastar a jardas de metáforas e recolocar os alforjes e as albardas para prosseguir.

     Entretanto, o génio cai por terra pelo compreensível, simples e eficiente feito e acção da passagem da época, da fase, do tempo e dos tropos. Por analogia, expurga-se a condenação do Sol e apressa-se a corrosão do ritmo, da existência e das figuras de pensamento.

     Habita em mim um Mundo que foge do Mundo onde habito.



2 comentários:

  1. Gosto, gosto, gosto! E destaco «Habita em mim um Mundo que foge do Mundo onde habito.»

    ResponderEliminar