segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Sopro de perspectiva


Não vamos atormentar o povo.
Dá-me a oportunidade,
Devolve a tua saciedade
Ao velho e ao novo;
Devolve o íntimo, o contorno
O frio, o quente e o morno.

O legado de termos silenciados
Permanecem agarrados
A este corpo encorajado
E desembainhado
De divisas, lemas,
Quimeras e diademas.

Senta-te junto a mim,
Abraça-me,
Enlaça-me
E olhemos para o horizonte,
Sem fim,
Assim.
Deixa que te conte
O que há em mim,
Vento,
Entre desejo, sonho e sentimento.



2 comentários:

  1. No embalo da leitura, a aparência de se estar preenchido pelo vento quando o ponto de vista é o de um bom abraço do vento, o afago do vento.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Sim, há, no final, o jogo entre o real abraço e companhia do vento e a breve sugestão/ilusão (rítmica) de existência deste (vento) no âmago.
      Beijinho

      Eliminar