sábado, 8 de junho de 2013

[Em pouco tempo, ou não…] X – Formas

     
     «Insónia, 8 de Junho intemporal.
     
     
     Eu não sei de que forma existo. Não durmo.
     
     Estou a ver-te a sair, depois da despedida. Sei que é uma miragem, mas vais andando, afastando-te cada vez mais, num túnel sem forma definida, mas com a promessa de retorno, impregnada na neblina dos teus passos. Sais mais arrastada do que o próprio gerúndio. Tolero, agora, o gerúndio, talvez, porque o associo, ainda, aos gestos lânguidos de uma carícia arrastada.
     
     Sinto um aperto no peito e a certeza do nosso amor. Esse sentimento vai detendo uma lágrima, que teima em sair. Mas, logo se lhe juntam outras e acabam por escorrer pela face, com a mesma urgência de um suspiro, num misto de dor e alegria.
     
     Preciso de ti. Por momentos, preciso de ti como do ar para respirar. Mais, até, do que do ar. Sinto que sufoco. Dirão que é uma meninice, talvez, mas não deixo de o sentir. E o que é uma meninice, comparada com a gravidade desta minha premência, mais urgente do que a queda das lágrimas? Quanto pesa a meninice num espantalho? Mas logo sorrio. O amor que sinto vai vencendo o princípio de tristeza. Devagar, com retrocessos, mas progredindo, também eu num túnel, mas num túnel sem tempo definido e que se vai indefinindo. Aborrece-me o gerúndio, agora, e dói-me o gerúndio, também.
     
     Felizmente é noite velha, não há assistência neste palco.
     
     Mordo os lábios à vez. O de cima e o de baixo. Por vezes, cerro os dentes, na tentativa de ajudar a instalar a resignação.
   
     Abraço-me. Sorrio, por fim, de novo. Não é o fim. Dou lugar à força dos afectos, libertos dos fantasmas e embebidos na minha essência.
     
     Preciso de ti, de facto. Procurar-nos-emos por todo o universo; de dimensão em dimensão; numa qualquer forma; de qualquer forma. Daremos voltas ao mundo, até nos encontrámos, para sermos um, não sei de que forma. E, reconhecendo-nos, sem conhecermos a nossas formas, constataremos que, afinal estávamos tão próximos, aqui mesmo, na esquina da vida.»
     
     
     

4 comentários:

  1. as noite são tremendas para fazerem sair os fantasmas e por em causa a existência, os sentimentos, a vida, as sompras por vezes são companheiros que nos levam á exaustão
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luna, as noites podem ser, extremamente, escalpelizadoras.
      Obrigado!
      beijinho

      Eliminar
  2. Henrique,
    Surpreendente e, emotivo.

    Palavras intensas que desnudam sentimentos e, dolos. Por vezes, ás vezes a noite solitária fere e, traja os nossos pensamentos de reflexões silenciosas, cruéis. No entanto, a noite não é eterna Henrique e, a alvorada é anunciada permitindo-nos o recomeço de um novo dia que se deseja menos doloso, dissemelhante.

    Um laço carinhoso de mim para si.

    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes, um novo dia é um acontecimento feliz!
      Obrigado, Ana! És muito sensível e amável!
      beijinho

      Eliminar