sexta-feira, 30 de setembro de 2016

crença



o que sabe o alinhamento imperfeito dos planetas 
dos teus rios, se não o alimentares com a tua fé? 
sabes quem és, embora vivas, sem saber, nos escritos 
de estranhos que não te podem ouvir, nem adivinhar. 
assim, também há poemas que dizem sem dizer, 
no alinhamento das palavras, essência maleável. 
pudesse o poema explicar-se e não seria essa a elipse 
que cada um desenha na sua imaginação; seria: 
a pobreza da poesia. 


 [elipse]



Sem comentários:

Enviar um comentário