quinta-feira, 29 de setembro de 2016

unidade



fico a olhar para o ponto indefinido onde foste
corpo que os meus dedos não poderiam alcançar.
sei agora como as palavras se enroscam e abraçam;
como dão formas ao corpo que materializam,
e/ou ao corpo que delas se alimenta.


 [elipse]


Sem comentários:

Enviar um comentário