quinta-feira, 29 de setembro de 2016

o acaso ao fim da rua




a loucura tem o valor que o espaço e o desejo perderam. 
aqui os bichos e as ervas daninhas prosperam, felizes, 
apesar de irremediavelmente doentes e perdidos, 
onde a cidade é mais vaga, na sua área mais devoluta. 
há casas, terrenos, ruas e passeios, abandonados, 
numa espécie de ruína progressiva e sem esperança 
para o sentido humano, que há muito se deixou de importar; 
não há viva alma, nem os mais audazes vândalos, correctores, 
sem abrigo, ou prostitutas; estou vagamente eu, e devoluto, 
que não me sei descrever com inteira justiça, a aquietar a dúvida. 



 [elipse]



Sem comentários:

Enviar um comentário