quinta-feira, 29 de setembro de 2016

geometria



não sei se por fingimento predatório ou se por genuíno pudor,
os pássaros escondem o bico debaixo das asas quando penso
na geometria do teu corpo. generosa natureza, que não lhe criou
arestas! apenas os mistérios e os abismos, encantatórios, das suas
curvas, dos seus cheiros e sabores, do seu calor e textura,
onde me perco em aventuras que sonho mesmo acordado,
em qualquer lugar, e mapeio-o, como um cartógrafo antigo,
deixando espaços em branco que tentarei preencher mais tarde.
fico, novamente, a olhar para o ponto indefinido onde foste corpo
que os meus dedos, se pudessem, conseguiriam explicar. sei agora
que os silêncios também sabem abraçar e beijam; como os meus olhos
te puxam para dentro de mim, mansamente, para te poder aclarar.


 [elipse]



Sem comentários:

Enviar um comentário