terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Canto


Na soleira da frágua,
Num ritmo eventual,
Muito além da memória instrumental,
Embrenho-me no oblíquo fio de água,
Que apesar de indiferente,
Corre flexível e complacente.

De imediato veio o rocio
Munido de confortos,
Embora frio,
No Cais dos Botirões.
De igual para igual,
A ria, que pretende beijar a esteva,
Confunde-se e une-se com uma diagonal
No limiar de várias ilusões,
Lesta, com inteireza,
Onde eu, só, sou mais alguém e um,
Na língua escassa da estreiteza.

Recebo a boa noite traçada
E acerto a fase da Lua;
Descalço a rua
E dispo a minha morada,
À luz e no timbre mental,
Com um sorriso acidental.


8 comentários:

  1. E sorrio eu, também. Tantas imagens, Henrique!
    Lindo!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. ma mansidão das águas e no mundo à sua volta tanto de pode descobrir e descortinar o que vai em nós.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Tão bonito...

    Gostei.

    Beijinhos

    Ana

    ResponderEliminar
  4. Henrique, agradecemos a visita. Seu espaço está ótimo e sucesso.
    Se quiser poemar conosco em SEM OLHARES CRÍTICOS pode nos enviar um poema com uma imagem para ilustração. ( maluccat@hotmail.com)
    E se quiser conhecer o meu espaço aguardo visitas - http://tudoepossivel-infinitoparticular.blogspot.com
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Malu!
      Já estou a seguir e a visitar! Parabéns!

      Eliminar