segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O vento levou a minhas rimas


O desejo diz-me só
Em sombras de luar
Pó de estrelas
E vontade pintada
Consentimento distraído
De aura urgente
De lugar sem passagem
Na orla de um rio a transbordar

O vento levou as minhas rimas
Mostro as minhas mãos à lua
Depois do temporal
E diz-me que lhes sobra a chuva
E que me agarre ao norte
Das minhas mãos sem fase
No tempo que me anuncia
Uma oportunidade de paz

Aproximo o rosto do fim de dia
Ao rosto da noite dentro
No encanto do fulgor pungente
Do meu corpo inquieto
E numa força inteira e substantiva
Da energia dos afectos
Arde o desapontamento apontado
Produz delicados padrões de luz

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Levou as rimas , mas não levou a magia das palavras..

      Beijinhos

      Ana

      Eliminar
  2. parece-me uma tempestade interna tão parecida com a que vai lá fora, mas tudo passa e o sol vai voltar
    beijinhos

    ResponderEliminar