quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Epifania em construção


A harmonia
Na consciência de um ritual
No sorriso da serenidade

Amar
Num último suspiro
Num último sussurro
Sem forma

O riso
Numa imagem íntima
Em traços desamparados
De conceito e peito aberto
Desprendido do corpo

A harmonia
No silêncio de um concerto
No amor da areia

Amar
Num último trilho
Numa linha inteira
Sem fronteira

A lágrima
Numa imagem de fundo
Válida
Em polígonos desprotegidos
Numa saudade
E nela
Cumprimentos
O adeus apertado
Num círculo
Onde o anjo pára tenuemente
E os lábios esboçam a magia

Na energia difusa e rítmica
Do afecto de luz
A harmonia

Num outro nível
Num outro espaço
Sem limite
Amar


6 comentários:

  1. amar pode ser tudo e ser nada, pode ser tudo quando nos é dado e é partilhado, e sendo tudo pode ser nada quando o damos e sem nada ficamos em prol da felicidade de quem se ama, falar de amor não é facil, mas sentir também não
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falar de amor não é fácil ou linear, de facto.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Amar, amar é a essência da vida...embora não seja perfeito...é perfeito enquanto o pode ser.

    Beijinhos

    Ana

    ResponderEliminar
  3. O amor é sempre uma revelação.
    Bjks

    ResponderEliminar