sexta-feira, 22 de março de 2013

Do outro lado das mimosas




Fronteiras e horizontes, entre tenças,
Um mundo de magias, milagres e crenças.
Confins onde vivi em novo,
Por entre ínfimos de chão variável
E absolutos de céu equável.
Por ali permanece a matéria e o povo,
O solo arável,
O ar respirável,
Os matos medonhos,
Os ribeiros cercados por medronhos;
Os que para cá dos sonhos ficaram,
Os que dos sonhos regressaram,
Os que sempre serão sonhos;
As sombras e os brilhos,
Os caminhos, carrais, carreiros e trilhos;
Rostos queimados, franzidos e risonhos;
Os inúmeros sabores,
Os imensos odores,
Os intensos das cores,
A simples fome e sede;
Os sons definidos e os difusos,
Lagares, prensas e fusos,
Próximo do mar, longe da rede.
Para trás a glória das pontes
E a pureza das fontes,
Destruídas por eucaliptais
E testemunhos de modernidades;
Os sinos dos toques de ave-marias e trindades,
E, até na morte, a presença dos seus sinais;
As lágrimas, as negríssimas vestes e as saudades,
Os incontáveis saberes e rituais,
Os quebrantos e os enguiços,
As bruxas, as rezas e os feitiços;
As novidades que não voltam mais,
A ambição e desejos,
Os cumprimentos, para quem passa.
Já não há pinga na cabaça,
Nem o adeus dos realejos.
Sobrevive uma justiça com cintilações de luxúria
E faces convergentes em associações assustadas,
A aura cálida no reverso das missas entoadas,
Enquanto se projecta um murmúrio de penúria,
Por preencher o meu absurdo de lamúria.


5 comentários:

  1. Evidencia-se (para mim ou em relação ao que sinto) a saudade, a melancolia e um certo sentimento de menor felicidade, num poema soberbo.
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. Ao ler, sente-se o aroma dessas terras longínquas que vivam agora na nossa memória.

    ResponderEliminar
  3. Basta ler teu poema para saber que uma ponta de saudade de algo se anuncia... um certo ar de tristeza, ainda que no ínicio, mas o poeta é assim tem todos os sentires dentro do coração sempre aplacado de emoções...
    Um grande abraço e grata pelas suas visitas...

    ResponderEliminar
  4. bem ritmado e expressa as memórias idas
    e as saudades recentes
    muito bom

    Beijo

    ;)

    ResponderEliminar
  5. tudo se vai perdendo, em especial as coisas mais bonitas que temos gravadas na mente e o tem destroi
    beijinhos

    ResponderEliminar