sexta-feira, 17 de março de 2017

Este silêncio


Este silêncio, que responde à tarde sem nada e ao céu curvo 
de cor-de-laranja de admiração, está cheio de gente. Espantosas 
pessoas que se alimentam de recordações doces do toque calmo 
da mão do sol-poente, ou se esquecem de partilhar o deslumbramento 
e o êxtase irresistível. Como se tudo se passasse com outros ou no sítio 
onde admiravelmente não estão e o instante não ficasse cada vez mais 
longe de qualquer um. Por dentro choram, como se perdessem alguma 
pessoa de família, e por fora sorriem, como se encontrassem a melodia 
oficial de uma qualquer intima, minuciosa e indizível glória amorosa. 
Ou sou eu, carregado de ramos invisíveis de árvores imaginarias e à janela, 
que, sem expressão, não vejo a assinatura do alvoroço de intenções amáveis. 


 [massivo]

1 comentário:

  1. E no silêncio de cada um, carrega-se tanto... pronto a dizer...
    Uma belíssima inspiração, que nos lembra que nem tudo será exactamente como nos parece... se apenas virmos a superfície das coisas... situações... pessoas...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar