quinta-feira, 23 de março de 2017

{quando o poema é uma árvore}


Um poema é, por vezes, isto: uma árvore. 
Rebelde, em bruto, que não se deixa, ou não 
se deve, podar; de quem não vemos todas 
as raízes: a origem; com um tronco onde, 
por sensatez e estima, não rabiscamos as 
nossas alegrias, o amor. 


 [massivo]



3 comentários:

  1. Poetas, poemas...acho que poetar independe do tema... para o poeta o que importa é tirar de dentro de si o sentimento que toma forma e cresce em forma de palavras...

    ResponderEliminar
  2. tudo se desdobra,
    tudo ramifica.....


    abç

    ResponderEliminar
  3. Nunca tinha pensado sobre essa perspectiva... mas assim é, de facto...
    Os poemas mais duradouros... têm origens profundas... crescem... desenvolvem-se... ocupam o seu espaço... e simplesmente, permanecem... com as suas folhas... de palavras...
    Adorei a analogia...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar