terça-feira, 10 de novembro de 2015

chave


aveiro | portugal
aveiro | portugal


diz-me o porquê desta alegria na nostalgia; 
diz-me porque nos satisfaz esta infelicidade, 
ou porque cantamos a nossa dor e tristeza. 

desconheço o porquê desta tristeza feliz; 
o porquê de tanta beleza neste caos 
de um grande dia destinado à imensa noite. 

não. não digas nada, se não quiseres falar. 
quero, apenas, sentir-te, se também for teu desejo. 
e, antes de chegares, de te ver e sentir, fecho os olhos, 
para adivinhar a tua geografia, pelo calor que emanas. 

releio-te. há um tempo multicolor nas tuas entrelinhas 
e uma parte de mim hiberna além dos reflexos 
das tuas palavras, que faíscam dentro de mim. 


[o significado do silêncio]


3 comentários:

  1. por vezes é melhor não dizer nada
    ficamos com os nossos sentires
    um poema desassossegado...
    um beijo

    :)

    ResponderEliminar
  2. Intenso, um poema intenso. A alegria e a tristeza, por vezes, misturam-se e a chave, como solução, será desfrutar o melhor de cada estado.
    Bjks

    ResponderEliminar