quinta-feira, 26 de novembro de 2015

elasticidade


aveiro | portugal


o devagar, como que o destino dos dias, 
que do nada ainda estou precisamente. 
sinto que exactamente, 
é o tempo limpo que nos passa, 
sentido que nem muito, 
saudade que nem tão pouco. 
desejo ver-te quase 
e estás tarde do outro lado. 
detalhes de imprevisto que nem tanto, 
o teu que não posso ser eu. 
desejo que sejas feliz! 


 [o significado do silêncio]


3 comentários:

  1. "o teu que não posso ser eu."

    Me deixou a pensar...

    ResponderEliminar
  2. Intenso (repito-me!...)! Li-o várias vezes. :)
    É um jogo de palavras tão poético, tão simultaneamente concreto como abstrato, a possibilidade do impossível, os sentimentos antagónicos que se encaminham para um desejo límpido, sereno e benigno, que até poderia ser irónico.
    Bjks

    ResponderEliminar
  3. desencontros...
    despedidas...
    nostalgia, mas sem rancor, mágoa talvez.
    um beijo
    :)

    ResponderEliminar