terça-feira, 3 de novembro de 2015

visita


ria de aveiro, canal de s. roque
canal de s.roque | aveiro | portugal


viro sempre à direita, em october
para virar à esquerda, mais à frente, 
na avenida, onde ainda há pedaços 
de amor espalhados em toda a sua 
extensão e um cheiro a ria e a liberdade. 
talvez possa virar em novembro e seguir 
o rasto da destruição, antes da esquina 
da letargia, no ângulo dos teus lábios 
entreabertos. 

os teus lábios são a estação estrepitosa 
de qualquer época de qualquer ano. 
os teus lábios são o abismo rumoroso 
que se gera em mim, em qualquer latitude. 
e se os meus lábios visitarem os teus lábios, 
no poder do outono, nos múltiplos significados 
do silêncio, ouviremos os estalinhos melódicos 
e interjeições derramadas em verbos de átomos 
impetuosos.


[o significado do silêncio]


3 comentários:

  1. Já estive, em Aveiro, há mais de três décadas.
    Hoje, a visita foi tão mais aprazível: teve lindo poema, ao atravessar as águas!
    Beijo, Henrique.

    ResponderEliminar
  2. O amor se derrama em qualquer estaçao... e os labios sao as testemunhas...

    Lindo o local da foto...

    ResponderEliminar
  3. Talvez o mundo nao seja pequeno e possa 'virar novembro ' seguindo o rastro do silêncio.
    Seria tão bom!
    Lindo a foto ,belíssima a poesia.
    abraços Henrique

    ResponderEliminar