domingo, 19 de fevereiro de 2017

Razões


Ria, ria, ria… Corpo emotivo de sentimentos em flor, à flor 
da pele; a sensação perene de presença e pertença inadiável; 
o subconsciente da constante partida sensível e exaustiva. 

A ria cheira a fim do mundo. Mas os seus olhos são um 
sorriso de domingo e quando diz: «Boa noite!» A poesia 
acorda em palavras que dizem o amor, numa forma 
eterna de companhia. Os seus dedos brincam nos meus 
olhos de criança entreaberta, onde não há nada a perder 
e as palavras ainda acreditam na inclusão de um abraço. 


[massivo]



1 comentário:

  1. Razões nunca faltam... para me deixar encantar pelos teus trabalhos...
    Mais um belíssimo e inspirado momento poético!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar