segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O âmago da consciência



Falem os poetas
E digam por mim
Que eu por eles nada digo
Não sou como um porque
Deitado numa prece urgente
Que hoje teria entrado nas origens
E demorado no que aparenta ser bastante tempo
Cairia por terra e mar e apagaria o fogo posto
A combustão espontânea que se opõe ao nada
A súplica de desembaraço de facto
Os pensamentos alinhados num fio de amor
Sem contudo tactear e residir no teu coração


4 comentários:

  1. Respostas
    1. (Confesso que me ri!)
      Sou um aprendiz e sonhador.

      Eliminar
  2. podes falar pelos poetas, sim, os poetas são os que escrevem com a emoção do coração e tu assim o és
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teria de falar muito baixinho, ou seja, és muito gentil, Luna. Obrigado!
      Beijinho

      Eliminar