quarta-feira, 1 de outubro de 2014

sob


  

algures na noite no mar do amor naufraguei
uma-a-uma as feiticeiras que me salvaram
previram futuros de amores sem sucesso
e que todos os dias nasceriam assinalados
por esse desígnio astral onde não sei quantas
vezes renasci agarrado ao toque de vazio
de um abraço solitário onde sorrio em silêncio




1 comentário:

  1. Talvez, o sorriso de quem é, e está, sereno!
    Um belíssimo "regresso"!
    :)

    ResponderEliminar