sexta-feira, 29 de julho de 2016

de vento


aveiro | portugal


os pensamentos aparentam ser inabitáveis 
e as pombas procuram abrigos imaginários. 
é a cidade exposta as rajadas de vento, 
com turistas com relógios nos olhos, 
em voos rasantes à resiliente arte nova, 
parte de um tempo descontínuo, 
de uma ria mansa que chega em voz alta. 


 [elipse]


Sem comentários:

Enviar um comentário