sábado, 13 de setembro de 2014

conto-te agora





nas artérias um caminho 
de cidade pequena. 
talvez me vista de suor 
que reluta em explicar-se 
sem ser em alegria, 
como se fosse a primavera 
numa aproximação de desígnio 
que a cada coisa dá um valor 
sem preço, ou como um jardim 
num indício de alvorada límpida.





-inicialmente no paralelo [23 de junho de 2014]

3 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderEliminar
  2. Nas dez linhas paralelas e horizontais de palavras,
    vislumbro uma aquarela...belíssimo quadro!

    ResponderEliminar
  3. e que venham muitas manhãs assim.

    claras e límpidas

    a foto está espectacular.

    :)

    ResponderEliminar