segunda-feira, 29 de agosto de 2016

a imagem de um domingo


da fonte dos amores - portalegre


a realidade tende a ser uma corrente fria e pessoal, aprendi-o na aldeia, 
ainda, ou seja, quando era muito verde e num meio de parcos recursos. 
criei, assim, um amor, numa espécie de destino que habita alguns poemas, 
com um enigma da visão anatómica e de remediáveis distâncias. 
que fantástica poesia, liberta das hordas de fantasmas desgrenhados, 
a corola de ciúme que sufoca o presente e onde a esperança é miragem. 
pouco mais sei dizer, que não tenham dito já, e posso em mais não acreditar. 


 [elipse]


1 comentário:

  1. Poesia e amor... sempre a par... o amor é poesia simples... e cada poema, apenas se deixa revelar com amor... por parte de quem o escreve...
    Magnifico poema, enaltecendo o amor à poesia... e a imagem... perfeita... talvez só a tivesse cortado ligeiramente em baixo... há ali umas coisitas caídas, meio distractivas...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar