sábado, 20 de agosto de 2016

demora



[rua dos mercadores, pastelaria santa joana.] 
aqui sou eventual, sem lugar habitual, mas previsível 
por um café e um moliceiro. sem tempo padrão 
de permanência, um euro depois e estou na rua. 
aqui não tenho nome, mas, seguramente, uma 
alcunha, conjecturável, que não me consome 
o tempo ou inquietação. aqui reconheço rostos 
com géneros, mas sem nomes ou sobrenomes, 
sem alcunhas ou qualquer etiqueta linguística, 
eventualmente com histórias e frases sem 
contexto, no meu silêncio universal. aqui é uma 
outra coisa, um outro tempo, um outro lugar. 
gozo, com lentidão calculada e voluptuosa, 
o café e o moliceiro, e emalho versos mentais. 


 [elipse]


1 comentário:

  1. Depois de toda a historia de tomar um cafe com calma e ver despreocupadamente a vida passar olhando pessoas aleatoriamente, me me fez ter curiosidade de ver uma foto de como é a rua dos mercadores e a pastelaria...

    ResponderEliminar