terça-feira, 2 de agosto de 2016

os trilhos


salinas de aveiro, aveiro | portugal


os trilhos no meu interior, para uma visita guiada, a pé, evoluem 
com os olhos. sente-se-lhes, aos olhos, o subjectivo à flor da pele, 
em progressão síncrona para o raciocínio profundo, quando tentam 
dar-lhes, aos trilhos, e ao que a partir deles se vê, uma forma verbal. 
eu, por outro lado, vou aprendendo o silêncio, naquela forma tranquila 
de encontrar a paz onde as palavras são excessivas. nem sempre foi 
assim, sei-o e vejo-o no grão abstracto das fotografias antigas. 


 [elipse]


1 comentário:

  1. Uau! Bom ter-te de volta... e com uma catadupa de talento, em imagens e palavras, que dá gosto ver...
    Espectacular perspectiva, a da imagem... e mais um dos teus magníficos poemas, onde o teu talento, sinceridade, e sensibilidade, são sempre uma constante...
    Estou quase a ausentar-me por umas semanas, para férias... Hoje deixo apenas este comentário, mas virei por estes dias com mais tempo, apreciar as últimas novidades, por aqui, antes da minha paragem nos blogues...
    Beijinhos! Continuação de uma feliz e inspirada semana!
    Ana

    ResponderEliminar