segunda-feira, 22 de agosto de 2016

nas mesmas aberturas da elipse


aveiro | portugal


a luz mudou as janelas, que mudaram a estação, 
e inventou novos locais para as mesmas sombras; 
trouxe a incerteza e o mistério ao azul do céu limpo; 
ilumina pontos e partes que não existem nas ruas, 
que são as mesmas, as das deambulações menos 
complicadas e com um não sei o quê que me leva 
no pouco que possam valer as palavras, nos diversos, 
e numerosos, silêncios e seus múltiplos destinos. 


 [elipse]


Sem comentários:

Enviar um comentário