terça-feira, 15 de novembro de 2016

Quebrável


Minha frágil ria, no meu sussurro simples, 
abro-te, modestamente, o meu coração 
e se, por momentos, semicerro os olhos, 
é para te sentir dentro da minha solidão 
fantástica, piedosa e de palavras miseráveis, 
com alma. Defeitos de ternura e afecto, 
nas distâncias dos meus olhos brandos. 

Olhamos em direcções diferentes, 
quando não transfiguro a paisagem 
e sou, eu mesmo, o silêncio da imagem 
que reflectes; este íntimo afastamento 
que ondula em ti, misterioso e denso; 
a forma geométrica do líquido horizonte 
que se desfaz no mar, num êxtase insone. 


 [massivo]



2 comentários:

  1. a ria
    inspiração
    e bálsamo para os olhos do Poeta

    bom fim de semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  2. A ria... como fonte permanente de inspiração... num laço inquebrável, por aqui...
    Mais um belíssimo momento poético!...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar