terça-feira, 18 de outubro de 2011

Estrela-cadente


     Admitindo que a lucidez está agora e novamente, absorta, reservada, abrigada e em ponderação, constrangida pela própria teia e regulada por uma sinopse, soltou o discernimento tímido, num filamento estreito e subtil, quase imperceptível. Aí escreveu o seu testamento, testemunho de uma vida magra de fé e de providência, para, desse modo, ser transmitido ao Universo.

     Talvez pela impunidade pênsil da punição velada, ou pela dor do bem-estar na contemplação das constelações, através dessa frincha cósmica diminuta, num tempo ainda mais exíguo, sentiu a brisa de uma fuga, só, sem mais palavras. Escape ou debandada?

2 comentários: