segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Oriente desligado


Durante o tempo em que um consagrado descose
Uma nova de admiração em tom de homilia
Numa crisopeia comovente tocante
Lançam o sinuoso decurso de uma epopta
Equiparada ao eviterno partejo
Correm devires acres dos corros
Na procura da deriva do aconchego
Da sensibilidade do marear
Da vulnerabilidade da permanência
Da amenidade das linhas de ternura
E da paragem radiante de um cais

Sargaços por hélices centrifugados
Giraram e bradaram por sargaços de quietude
Nadam inesquecíveis enguias sem sabor
Que pedem excitação e lugares incomuns
Lugares que se esgotam no que não dás
E o que não dás é o que requeres paralelo
Quando o meu céu se estende como um dossel
Que simplesmente não quer testemunhar

7 comentários:

  1. O poema está belíssimo só não sei como comentá-lo. Ele é em si uma epopeia ao saber fazer, escrever, pensar. como tão bem sabes com tanto requinte. Deixo-te apenas um beijinho e a maravilha de mais um que se fica a olhar e a interiorizar. Boa semana. Obrigada pelo teu carinho. Espero que estejas bem e tudo também.

    ResponderEliminar
  2. Bem... eu cá acho que fazes de propósito! Para interpretar isto só de dicionário ao lado. Metade não percebo, e não me vou fazer aqui de entendida e dizer que compreendi, quando de facto isso não aconteceu.

    Mesmo assim eu gosto de te ler, de te tentar decifrar, gosto da tua presença e do nossa forma de comunicação por sorrisos.

    Gosto. Ponto.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. :)
    Olá, S.o.l.!
    Confesso que me fizeste rir com a situação (não de ti).
    Obrigado!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Tu consegues imaginar a minha cara?? Não? É de desconfiada como quem pensa "pois, pois... não é de mim, é da situação"

    :P

    :))

    ResponderEliminar
  5. Ai, que é feito da tua imaginação? :))

    Ahhh... pois... faltam as bases!

    ResponderEliminar