quarta-feira, 21 de março de 2012

Firmamentos apaixonados


Ímpeto que gere a expansão dos esboços
Arrebatamento, atracção e afinidade
Em danças de esqueletos de eleição
Em torno e retorno de endereços
O sangue-frio de uma janela franca
Sem opulências de vidros espelhados
Que enfrenta e recebe
Frentes de versos que parem pedras
Em litorais degradados

Amantes seremos em sonhos
Para além da morte exacta
E da sorte que não existe
Para além do momento que ostenta a água
Estímulo que cadencia e ajusta bailados
Átomos que riem à-vontade e com vontade
Da forma compreensível das cores entusiasmadas
Dos diálogos apaixonados dos nossos personagens


4 comentários:

  1. "Grandes dançarinos não são grandes por causa de suas técnicas; eles são grandes por causa de suas paixões." (Autor Desconhecido)


    :))

    P.s. Isto hoje estava difícil de te comentar. Têm gênio este teu blog, sairá a ti? :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ;)
      - -
      P.S.: É por isso que os versos parem pedras...
      :D
      :))

      «Há dias mais complicados neste chão.» O meu blogue é alérgico ao Internet Explorer e o Internet Explorer alimenta um estado de rejeição em relação ao meu blogue. No fundo, no fundo, eles amam-se...

      Eliminar
    2. Henrique, a paixão faz-nos sentir vivos, tolos, alegres. É um estado que a mim me apráz bastante :)

      - -

      Já vi que sim, que é. Mas nem no chrome lhe apetecia hoje :))
      É amor sim, só pode!

      Eliminar