sábado, 10 de setembro de 2011

Metáfora


     Encontro-me a matar o tempo. Um curto-circuito num desabafo. As metáforas são um terreno fértil, por parte dos receptores e/ou dos emissores, na origem e/ou no destino, para a crítica jocosa, para o escárnio, para mal-entendidos. No entanto, gosto das metáforas. Gosto da sua astúcia e subtileza. Preocupa-me quando procede de um aprisionado, de um censurado, de um amordaçado.

     Não interessa se em letras de ouro ou por pessoas de letras grossas, entendo quem não compreende uma metáfora, assim como, entendo quem interpreta uma [metáfora] literalmente. A minha tolerância é uma enorme planície, com algumas, pequenas, elevações e, pequeno, depressões, é certo. Há dias mais amargos.

Sem comentários:

Enviar um comentário